20 de dez de 2014

Passe Livre tem que ser sem nenhum a aumento da passagem e sem nenhum dinheiro público para a máfia do transporte!

Em meio aos preparativos da luta contra o aumento das passagens fomos surpreendidos nesta sexta-feira com o anúncio dos prefeitos do ABC de que será implementado a partir de janeiro o passe-livre para estudantes.

O Passe-Livre é uma reivindicação histórica do movimento estudantil. Inclusive aqui no ABC já houve várias lutas dos estudantes na defesa deste direito. O ano passado mesmo, em agosto, estudantes de São Bernardo ocuparam a câmara municipal e fizeram vários atos em defesa do passe-livre, ao final ficaram com a promessa do prefeito que haveria um estudo para avaliar a viabilidade da medida. Em especial depois de Junho, não podemos dizer que essa medida, veio sem a luta aguerrida de nossa juventude. Mas será que é por esse passe livre que lutamos?

O anúncio do Passe-Livre não veio sozinho, está acompanhado de um aumento de 20% na tarifa do transporte, o valor da passagem passaria de R$ 3,00 para R$ 3,60! Neste caso, os prefeitos utilizam um velho recurso: “fazer alegoria com chapéu alheio”. Não pode ser que uma conquista importante para a juventude seja feita as custas do restante do povo trabalhador.

Além de aumentar a passagem os prefeitos irão pagar a passagem dos estudantes com subsídios para as empresas. Ou seja, as empresas lucram com um serviço público de péssima qualidade, devem para a prefeitura que ainda paga subsídios a elas, tirando dinheiro da saúde, educação e moradia, para engordar as contas bancárias das empresas de transporte. Esse Passe-Livre também terá várias restrições, sequer é para todos os estudantes e ainda não sabemos se poderá ser usado também para lazer e cultura e não somente para ida a escola.

É evidente que os governos, com essa medida, pretendem evitar outro “junho”, que ameace seu poder, que estava sendo gestado pela organização contra o aumento das passagens, mas o que fazem é subestimar a inteligência do povo e da juventude, que verá com clareza que se trata de uma “faca de dois gumes”.  Por isso seguimos afirmamos que defendemos o passe-livre estudantil, mas não recuaremos um milímetro de nossa luta contra o aumento abusivo da passagem!

O Passe-Livre que defendemos deve ser pago com o próprio lucro das empresas, que caso não aceitem implementar a lei devem ser estatizadas pelo governo sem indenização (já que tem enormes dívidas com o município) e que fique sobre o controle dos trabalhadores, fazendo com que o transporte não seja uma mercadoria, mas um direito.

Se o transporte fosse público, estatizado, e não dominado por máfias que só visam o lucro, poderíamos conquistar não só o passe-livre, tão importante para a nossa juventude. Mas a tarifa-zero para todos.