15 de out de 2013

Pequena Homenagem aos Professores

Hoje vamos homenagear os professores no nas ruas, numa manifestação com concentração a partir das 16h no Largo da Batata, em São Paulo!

 
Mas para marcar a data também no nosso blog, abaixo trazemos um pequeno texto que dedicamos a todos os profissionais da educação, especialmente os que atuam nas escolas públicas do ABC!

 

Pequena Homenagem aos Professores

por Sonia Conti, com a colaboração de Lígia Gomes
 
 
Em outros tempos, quando perguntávamos a uma criança o que ela gostaria de ser quando crescesse, a resposta, se ela estivesse na fase escolar, seria, com pequenas variações: professor.
Este sonho já foi meu.
Nos primeiros anos de vida, os modelos, as referências, são os pais. Posteriormente, os modelos são buscados na escola, na sociedade.
O primeiro contato da criança com a vida se dá através dos pais e a família. Aos pais cabem desenvolver relações de afeto, atenção, formação de caráter.
Mas as famílias estão mudadas.
Pais e mães tendo que deixar seus filhos, muitas vezes, sob os cuidados integrais da escola, para que possam buscar através do trabalho e estudo, a própria sobrevivência.
E é muitas vezes, sem esta atenção familiar compulsória, que o primeiro grande contato com a sociedade se dá através da escola.
Aos professores cabe então acumular os cuidados que a criança recebe na família, ao de alfabetizar e abrir, através da escrita e leitura, novos horizontes.
Através dos primeiros livros, das primeiras histórias, a criança começa a formar sua personalidade e opiniões.
Neste sentido, ser professor, em qualquer nível de formação, é ajudar os pais na formação de crianças, homens e mulheres, que construirão a sociedade em que vivem.
Por que então o poder público os trata com tanta indiferença?
O que hoje vemos é uma escola que enquanto pública enfrenta todas as dificuldades de um ensino escamoteado, prédios mal cuidados, merendas a desejar, professores e funcionários desmotivados, resultado de uma política econômica que não prioriza a educação em nosso país.
Diante deste quadro temos a greve dos profissionais da educação que há dias ocupa o cenário do Rio de Janeiro, em particular.
Os profissionais da educação vêm protagonizando desde setembro lutas que ganham cada vez mais força.
E cabem as perguntas:
Por que os governos não investem os recursos necessários e não garantem condições de trabalho adequadas aos professores?
Por que os salários docentes estão cada vez mais baixos? Porque a carga didática está cada vez mais alta e o número de alunos em sala é sempre mais do que o possível?
Por que, apesar de toda a luta dos professores, estudantes e trabalhadores da educação de nosso país, os governos seguem trabalhando para arruinar e destruir ainda mais a estrutura e organização escolar?
Talvez o interesse do poder público, seja o contrário:
 Não deixar que nossas crianças avancem em seus conhecimentos para que não tenham armas de transformar.
Todo apoio a greve dos professores, para que possam realmente ter um feliz dia dos professores.