29 de ago de 2013

Começa a jornada pelo PASSE LIVRE em São Bernardo

Por Carol Coltro e Rafael Nascimento do PSTU-ABC

Não era só por 20 centavos

As gigantescas mobilizações de junho e julho mudaram o clima do nosso país e também na região, conquistando a redução das tarifas de ônibus. Mas o principal é que como cantávamos naquele momento é que “o povo acordou”. Os cartazes de “não é só por 20 centavos” apontaram o caminho de que há muito mais para conquistar e que somente as mobilizações é que vão arrancar vitórias do governo. O povo não confia mais que os governos possam atender suas reivindicações e a ação direta foi o caminho escolhido pelos estudantes de São Bernardo do Campo para conquistar o passe livre. Assim como em diversas cidades do país dão continuidade as jornadas de Agosto e ocupam a Câmara de vereadores pelo Passe Livre.

O ato de ontem na câmara de vereadores em SBC pelo Passe Livre para estudantes e desempregados foi uma deliberação da Plenária Popular, Sindical e Estudantil, que ocorreu em 17 de agosto para definir ações até o dia 30 de agosto, Dia Nacional de Paralisações, com vários representantes de organizações sindicais e estudantil e partidos de esquerda, incluindo o PSTU. A ANEL (Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre), presente na plenária, propôs a construção da luta pelo passe livre na região e a construção deste ato do dia 28, pela base.



Passe Livre Já!

Com a ocupação da câmara de vereadores em São Bernardo com 200 estudantes de diversas escolas dá a largada as jornadas pelo passe livre na cidade. Uma primeira demonstração de força e organização.

A ANEL mostrou que ainda existe disposição de luta dos estudantes, indo às escolas, mobilizando desde a base, buscando os jovens que foram protagonistas de junho e que são agora os protagonistas da luta pelo passe livre, que pararam suas escolas, ganharam seus colegas para que não é mais tempo de aceitar, mas sim de tomar o futuro em suas mãos. Na câmara de vereadores, os estudantes apontavam o dedo na cara dos vereadores, demonstrando sua desconfiança neles e a confiança nas suas próprias forças.

Nenhuma confiança em Marinho e nem nos vereadores

Os estudantes exigem o direito ao acesso à educação, cultura, lazer e esporte que só pode ser garantido com o PASSE LIVRE, uma vez que o alto preço das passagens de ônibus exclui aqueles que não podem pagar pelo transporte, também querem a abertura das planilhas de lucros das empresas e os contratos, para evidenciar o que já sabemos, que a máfia dos transportes lucra às custas de um transporte caro e de péssima qualidade. O projeto de lei que os estudantes apresentaram quer que saia do bolso das empresas os custos do passe livre e não das verbas para saúde e educação. Na grande faixa estendida na Avenida Pereira Barreto os estudantes exigiam também a estatização do transporte da cidade para que seja possível a tarifa zero para todos, pois o transporte não pode ser fonte de lucro, nem mercadoria. Para os empresários quanto mais cheio e caro melhor, por isso deve ser estatizado para beneficiar só a população.

Os vereadores não se posicionaram, reforçando a desconfiança dos estudantes, pois nem mesmo uma audiência pública sobre o passe livre tiveram coragem de fazer. Disseram que vão encaminhar uma indicação ao prefeito Luiz Marinho, mas Marinho já mostrou que é inimigo dos estudantes e das lutas, jogou a repressão nos atos de junho e julho e agrediu ativistas, além de ter ignorado nossas reivindicações em uma reunião com ativistas no Consórcio Intermunicipal.

Alguns vereadores oportunistas, com muita demagogia diziam apoiar a nossa luta, mas nem um passo deram para encaminhar o projeto ou defender a audiência pública. Os vereadores mostraram, para quem tinha dúvidas, que não estão com os estudantes e trabalhadores, mas com os mafiosos do transporte e com o prefeito. Com isso, jogaram gasolina na fogueira. Os estudantes saem da câmara com mais disposição, mais determinação, mais desconfiança nos vereadores e mais confiança na mobilização. A ANEL sai mais organizada e fortalecida para que cada estudante presente no ato possa mobilizar e ser um organizador da luta pelo passe livre na sua escola e também em outras.

Nossa luta também é para exigir de Dilma o Passe Livre Nacional e pelo Fora Alckmin

Em diversas cidades está sendo organizada a luta pelo passe livre, apontando a necessidade de exigir de Dilma a lei do Passe Livre Nacional, que tire do lucro dos empresários os custos do passe livre e não das verbas de educação. Desde junho, Dilma só faz ignorar a voz das ruas, não atendendo a nenhuma reivindicação do movimento.

No Estado de São Paulo a privatização e parcerias público privadas no Metrô, mostraram que são fontes de corrupção e sucateamento dos serviços. Alckmin liderou um cartel que desviou 425 milhões no propinoduto. Além disso reprimiu brutalmente as manifestações de junho. Por isso em SP começa a luta pelo Fora Alckmin!

Com mobilização e organização vamos conquistar o PASSE LIVRE

Este foi só o começo, mas já nos deu algumas lições: A primeira é que a luta direta é a única forma de seguir com as mobilizações, e se conquistamos o passe livre a estatização dos transportes passa a ser uma possibilidade real junto com a tarifa zero para todos. Pois essa vitória nos dará mais força. A segunda lição é que, se em junho, bastavam os eventos do facebook para que milhões fossem às ruas, agora será necessário uma organização e mobilização desde a base, seja com os estudantes ou com os trabalhadores, através de uma organização independente de governos e democrática. O PSTU aposta na ANEL para cumprir este papel, saúda seus representantes e ativistas pela importante mobilização e se coloca a disposição para impulsionar a luta pelo passe livre.